‘Luz, Câmera, Música!: Cineastas Compositores’

De 20 a 31 de agosto, o Centro Cultural Banco do Brasil apresenta “Luz, Câmera, Música!: Cineastas Compositores”, mostra composta por 14 filmes de sete cineastas que também assinam a composição das trilhas sonoras de seus trabalhos. A proposta é que o público possa conhecer ou rever as produções de forma global: com olhar e ouvidos atentos para perceber a totalidade da obra, uma vez que a composição está intimamente ligada ao desenvolvimento da história. De nacionalidades e estilos distintos, os sete diretores compartilham pontos em comum: são independentes, reconhecidos pelo público, pela crítica e pela categoria, e continuam em atividade. São eles: o espanhol Alejandro Amenábar (“Morte Ao Vivo” e “Mar Adentro”); o brasileiro Carlos Reichenbach (“Extremos do Prazer” e “Alma Corsária”); o bósnio Emir Kusturica (“Memórias em Super-8” e “A Vida é um Milagre”); o americano Hal Hartley (“Simples Desejo” e “Flerte”); o inglês Mike Figgis (“Justiça Cega” e “Timecode”); o alemão Tom Tykwer (“Inverno Quente” e “Perfume”) e o argelino Tony Gatlif (“O Estrangeiro Louco” e “Vengo”). A curadoria é de Fábio Yamaji.

 

Com exibições diárias, serão 35 sessões em dez dias, a preço popular, e uma palestra com entrada franca. Na sexta-feira, dia 29, às 15h, o público poderá conversar sobre “ Música no Cinema”, com Carlos Reichenbach e Christian Petermann. O diretor e o jornalista, respectivamente, falam sobre a criação da trilha sonora e de sua importância para o filme. Reichenbach resume o valor da música em seus trabalhos da seguinte forma: É comum nos meus filmes a música ser apresentada como personagem – o elemento mais importante da cena – e gradativamente se tornar diegética – a que algum personagem esteja escutando. Busco fazer isso de modo que a mudança seja quase imperceptível.”

 

 

“Ao investir na realização da mostra, o Banco do Brasil busca contribuir na ampliação da percepção do espectador sobre o rico trabalho de produção musical envolvido na concepção de um filme, além de homenagear o trabalho desses cineastas que se desdobram em múltiplas funções, realizando um cinema, acima de tudo, autoral.”, diz Marcelo Mendonça, diretor do CCBB São Paulo.

 

Para Fábio Yamaji, curador da mostra e diretor e professor de Linguagem Experimental de Animação, essa é uma oportunidade de assistir a filmes que se destacam pela qualidade como a inquietação temática, a originalidade visual e a sofisticação musical. “A mostra garantirá ao espectador algumas horas de reflexão, beleza e sonoridade sincronizadas”, ressalta.

 

Diretor de curtas de animação e de documentário, entre outras atividades, Yamaji frisa a  importância da música incidental no corpo de um filme, traduzindo sua cadência narrativa, sugestão de emoções, ambientação sonora e identificação de personagens, entre outros. No cinema autoral é comum que o diretor acumule as funções de roteirista, montador e produtor, cuidando assim para que o resultado seja o mais fiel possível de sua concepção original, artística e tecnicamente. São etapas-chaves do processo criativo e de produção, que contribuem para a construção de uma obra mais focada e pessoal. É uma característica inerente ao cinema independente, completa.

 

Os longas-metragens “Timecode”, “Mar Adentro”, “O Estrangeiro Louco” e “Justiça Cega” serão exibidos em DVD. Nestas sessões, a entrada será gratuita, com retirada de senhas a partir das 10h. Para assistir aos demais filmes, os espectadores pagam R$4 (inteira) e R$2 (meia) pelo ingresso. A mostra estará em cartaz no CCBB do Rio de Janeiro entre 5 e 17 de agosto e, em Brasília, entre 19 e 31 de agosto.

 

 

Cineastas e obras participantes:

 

Alejandro Amenábar: Diretor de filmes com forte apelo emocional, o espanhol é também um habilidoso compositor de trilhas orquestrais dramáticas e de suspense. Eventualmente compõe para outros diretores de seu país, assumindo o trabalho de trilheiro como uma atividade paralela à sua carreira de diretor.

– Morte Ao Vivo (Tesis, Espanha, 1996, 125 minutos, classificação indicativa: 16 anos)

– Mar Adentro (Espanha/França/Itália, 2004, 125 minutos, classificação indicativa: 12 anos)

 

Carlos Reichenbach:

Com formação musical influenciada por impressionistas como Debussy e Ravel, este importante diretor-fotógrafo-ator-roteirista do cinema nacional também assinou a trilha sonora de dois de seus filmes.

– Extremos do Prazer (Extremos do Prazer, Brasil, 1984, 92 minutos, classificação indicativa: 18 anos)

– Alma Corsária (Alma Corsária, Brasil, 1993, 112 minutos, classificação indicativa: 16 anos)

 

Emir Kusturica:

O bósnio passou a musicar seus próprios filmes após bem sucedida parceria com o compositor Goran Bregovic (“Vida Cigana”, “Underground”, “Arizona Dream”). É guitarrista da banda cigano-punk ‘No Smoking Orchestra’.

– Memórias em Super-8 (Super-8 Stories, Alemanha/Itália, 2001, 90 minutos, classificação indicativa: 12 anos)

– A Vida é um Milagre (Zivot je Cudo, Sérvia & Montenegro/França, 2004, 155 minutos, classificação indicativa: 16 anos)

 

Hal Hartley:

O americano sempre compôs a trilha de seus filmes, desde os primeiros curtas-metragens. Para creditar sua música minimalista usou um homônimo, Ned Rifle. A partir de 1997 passou a assinar as trilhas sonoras com seu próprio nome.

– Simples Desejo (Simple Men, EUA, 1992, 105 minutos, classificação indicativa: 14 anos)

– Flerte (Flirt, EUA / Alemanha / Japão, 1995, 85 minutos, classificação indicativa: 12 anos)

 

Mike Figgis:

Antes da carreira em cinema, o inglês estudou música em Londres e tocou na banda de R&B ‘The Gas Board’. Compôs a trilha sonora de todos os longas que dirigiu. Seus dramas são geralmente embalados com jazz e blues.

– Justiça Cega (Internal Affairs, EUA, 1990, 115 minutos, classificação indicativa: 14 anos)

– Timecode (Timecode, EUA, 2000, 97 minutos, classificação indicativa: 14 anos)

 

Tom Tykwer:

O alemão começou a musicar seus filmes por questões de orçamento: como não tinha como pagar um trilheiro, assumiu a função. Gostou da experiência e percebeu que poderia fazer um trabalho mais conciso elaborando a narrativa dos filmes em três momentos: roteiro, direção e música.

– Inverno Quente (Winterschläfer, Alemanha, 1997, 122 minutos, classificação indicativa: 18 anos)

– Perfume (Perfume: The Story of a Murderer, Alemanha, 2006, 147 minutos, classificação indicativa: 16 anos)

 

Tony Gatlif:

Música cigana e dança flamenga são elementos recorrentes nas histórias do argelino, tornando-se pretextos para a intervenção de sua especialidade musical nos filmes que dirige. “Vengo” (2000), inédito no Brasil, conta a história da longa tradição de assassinatos por vingança entre duas famílias rivais.

– O Estrangeiro Louco (Gadjo Dilo, Romênia/França, 1997, 102 minutos, classificação indicativa: 13 anos)

– Vengo (Vengo, França/Espanha/Alemanha/Japão, 2000, 90 minutos, classificação indicativa:  13 anos)

 

 

PROGRAMAÇÃO:

 Dia 20 (quarta-feira):

15h – Vengo (Tony Gatlif)

17h – Flerte (Hal Hartley)

19h – Morte Ao Vivo (Alejandro Amenábar)

 

Dia 21 (quinta-feira):

15h – Perfume (Tom Tykwer)

17h – Timecode (Mike Figgis) 

19h – A Vida É Um Milagre (Emir Kusturica)

 

Dia 22 (sexta-feira):

15h – Flerte (Hal Hartley)

17h – Morte Ao Vivo (Alejandro Amenábar)

19h – A Vida É Um Milagre (Emir Kusturica)

 

Dia 23 (sábado):

13h – Timecode (Mike Figgis)

15h – Morte Ao Vivo (Alejandro Amenábar)

17h – Vengo (Tony Gatlif)

19h – Timecode (Mike Figgis)

 

Dia 24 (domingo):

13h – Vengo (Tony Gatlif)

15h – Flerte (Hal Hartley)

17h – Extremos do Prazer (Carlos Reichenbach)

19h – Perfume (Tom Tykwer)

 

Dia 26 (terça-feira):

13h – Inverno Quente (Tom Tykwer)

15h – Mar Adentro (Alejandro Amenábar)

17h – O Estrangeiro Louco (Tony Gatlif)

 

Dia 27 (quarta-feira):

15h – Simples Desejo (Hal Hartley)

17h – Justiça Cega (Mike Figgis)

19h – Inverno Quente (Tom Tykwer)

 

Dia 28 (quinta-feira):

15h – Alma Corsária (Carlos Reichenbach)

17h – Memórias em Super-8 (Emir Kusturica)

19h – Justiça Cega (Mike Figgis)

 

Dia 29 (sexta-feira):

15h – Alma Corsária (Carlos Reichenbach)

17h – Palestra: Música no Cinema, com Carlos Reichenbach e Christian Petermann

19h – Memórias em Super-8 (Emir Kusturica)

 

Dia 30 (sábado):

13h – Memórias em Super-8 (Emir Kusturica)

15h – O Estrangeiro Louco (Tony Gatlif)

17h – Inverno Quente (Tom Tykwer)

19h – Justiça Cega (Mike Figgis)

 

Dia 31 (domingo):

13h – O Estrangeiro Louco (Tony Gatlif)

17h – Alma Corsária (Carlos Reichenbach)

19h – Simples Desejo (Hal Hartley)

 
Serviço:

Centro Cultural Banco do Brasil

Cinema (70 lugares): R$ 4,00 e R$ 2,00 (meia-entrada). Filmes em DVD têm entrada gratuita, com retirada de senhas a partir das 10h.

Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – São Paulo

Informações: (11) 3113-3651 / 3113-3652

www.bb.com.br/cultura

 

Aceita cartões de crédito Visa ou Mastercard, cheque ou dinheiro

Horário de funcionamento da bilheteria: das 10h às 20h

Ingressos antecipados: www.ingressorapido.com / (11) 2163-2000

Clientes do Banco do Brasil pagam meia-entrada apresentando o cartão do Banco na bilheteria.

Acesso e facilidades para pessoas com deficiência física // Ar-condicionado // Loja // Café Cafezal e Bistrô (wireless). Opções de estacionamentos particulares nas ruas Boa Vista, Senador Feijó e Libero Badaró. Confirmar preços, dias e horários de funcionamento.

Sugestão: Estacionamento Jockey Club – Rua Boa Vista, 280. Horários: de 2ª a 6ª feira, das 07h às 23h.  Aos sábados, das 07h às 18h. Não abre aos domingos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: